VSM na Industria 4.0 é um dos assuntos do 24° Seminário Internacional de Alta tecnologia

VSM na Industria 4.0 é um dos assuntos do 24° Seminário Internacional de Alta tecnologia

Estar atenta às tendências de inovação faz parte da Estratégia da Engevolve, que esteve presente, no dia 10 de outubro, no 24° Seminário Internacional de Alta Tecnologia intitulado: Digitalização da Produção e Produção Digitalizada, realizado em Piracicaba e contou com a presença de especialistas da Alemanha, Áustria e Brasil. Nesse evento foram tratados assuntos como Eficiência Energética, Ciência de dados na Indústria, Internet das coisas, Inteligência Artificial e como tratar o Fluxo de Valor, ferramenta importante na metodologia Lean, para mapear e preparar a Empresa para a indústria 4.0. Esse evento proporcionou novos aprendizados e mostrou que toda revolução tecnológica passa pela preparação do ambiente, pois, não podemos sair digitalizando os processos e serviços sem olhar para o fluxo, no intuito de identificar e eliminar tudo aquilo que não agrega valor, seja ele de peças ou informação, buscando a Melhoria Contínua em um ambiente Lean 4.0.

Engevolve no Lean Digital Summit 2019

Engevolve no Lean Digital Summit 2019

A Engevolve participou, no dia 12 de Setembro, do Congresso Internacional Lean Digital Summit 2019, promovido pelo Lean Institute.
Autores e representantes do Lean Mundial, como John Shook, Art Smaley e Nigel Thurdow estiveram mostrando e debatendo as principais mudanças e evoluções do Pensamento Lean em direção a nova Era Digital.
Também estiveram presentes, empresas de diversos ramos de negócio, compartilhando um pouco da experiência de sucesso que estão tendo com a Filosofia Lean alinhado com o Project Management, Design Thinking, Método Agil e Scrum, todos trabalhando juntos no desenvolvimento de Equipes e elaborando projetos cada vez mais eficazes e eficientes.

Engevolve no Simespi – Curso de Mapeamento Fluxo Valor (VSM)

Engevolve no Simespi – Curso de Mapeamento Fluxo Valor (VSM)

Nos dias 27, 28 e 29 de Agosto, a Engevolve esteve no Simespi-Piracicaba aplicando o curso: Melhorando os Resultados através do Mapeamento do Fluxo de Valor.
Foram três dias de muito conteúdo teórico e prático, ensinando os princípios do Lean Manufacturing, Ciclo PDCA, Formulário A3 e a Metodologia de Mapeamento de Fluxo de Valor (VSM).
O curso foi ministrado pela Consultora e Especialista em Lean Ana Lúcia Guidolin Stoco à 16 empresas de Piracicaba representadas por 40 colaboradores!
Parabéns e Sucesso a todos que aprenderam a aplicar uma das principais ferramentas utilizadas para identificação e eliminação de desperdícios, visando sempre Excelência Operacional!

Como ser mais eficiente através do Mapeamento de Fluxo de Valor (VSM)

Como ser mais eficiente através do Mapeamento de Fluxo de Valor (VSM)

Chamamos de Fluxo de Valor, todas as etapas do processo que agregam ou não valor ao produto, desde que o material entra na fábrica, até se transformar em produto acabado e ser entregue ao Cliente.

O Mapeamento do Fluxo de valor (VSM) é uma ferramenta esquemática que facilita a visualização da matéria-prima, das peças e das informações, dentro de uma cadeia produtiva, administrativa ou Logística. Nele conseguimos enxergar o processo como todo, não apenas pontos isolados, além de possibilitar uma linguagem comum, facilitando o debate e a Solução de problemas dentro das empresas.

Etapas para construção do Mapeamento de Fluxo de Valor

1º Passo) Por onde começar?
O Fluxo de toda cadeia de valor engloba desde os fornecedores de matéria-prima, passando pelo processo, até chegar ao Cliente final. De todas essas fases, a que está em nossas mãos e a que possuímos maior controle para realizar mudanças, é o processo interno da empresa onde estamos. Esse é o melhor ponto para começar.

Inicie o mapeamento desde a entrada do material até a expedição de produto acabado, ou desde o início de um processo administrativo até o final, isso é, mapeie o processo de “porta a porta”.

2º Passo) Fatiar o todo:
Um ponto importante é dividir o processo em famílias de produtos com fluxo de produção ou administrativo similares (ao invés de mapear todo processo em um só fluxo).

Elaborar o VSM por família de produto simplifica e facilita a leitura e análise das informações.

3º Passo) Escolher um Projeto Piloto e aprender com ele:
A escolha de um processo como piloto é feita através de uma análise de custo benefício, que considera o retorno que o projeto de melhoria trará, comparado aos recursos que serão utilizados para realizá-lo.

4º Passo) Elaborar o VSM-Estado Atual:
Para desenhar o VSM-Estado Atual, você deve acompanhar a trajetória de produção de uma família de produto desde o início até o final, e fazer uma representação visual do fluxo de material e de informação.

O VSM é uma fotografia atual, e suas informações devem ser baseadas em fatos reais no momento que estão acontecendo. Informações como ciclos de trabalho, estoques em processo, setup, etc, são levantados por você, no momento do mapeamento.

Anote, ao andar pelo fluxo de valor, todas as oportunidades de melhoria que você e os colaboradores identificarem.

Convide uma equipe multifuncional para uma análise minuciosa do Fluxo de material e de informação, e levante todas  as oportunidades, com foco nos pilares de negócio: Segurança, Qualidade, Entrega e Custo.

Deixe registrado as ideias de melhoria no desenho do VSM-Estado Atual (indicados pelos balões laranja).

5º Passo) Elaborar o VSM-Estado Futuro:
Baseado no VSM-Estado Atual, desenhe agora um novo mapa, considerando as oportunidades de melhoria levantadas. Esse novo mapeamento, denominado de VSM-Estado Futuro, dará ao time, o “norte Verdadeiro”, a visão clara de onde se quer chegar no futuro.

Para que o VSM-Estado Futuro se concretize, elabore um Plano de Ação, com responsáveis e datas. A equipe deverá se reunir periodicamente e acompanhar o Plano.

VSM – Estado Futuro

Conclusão:

O VSM simplifica a Análise e Solução de Problemas. Possibilita a visualização padronizada dos processos, facilitando a comunicação. É uma das ferramentas mais importantes utilizadas pela Metodologia Lean para elevar o nível de utilização dos recursos, trazendo para as empresas, benefícios significativos e sustentáveis.

Kanban, dos Supermercados para os Sistemas Produtivos!

Kanban, dos Supermercados para os Sistemas Produtivos!

Um ótimo modelo de sistema produtivo, administrativo ou de serviços é aquele que reúne flexibilidade, velocidade e tem como objetivo entregar o produto na hora certa , na quantidade correta e com a qualidade que o Cliente precisa. Tudo isso a um custo muito competitivo!

Atender todos esses requisitos exige da gestão de fábrica, um olhar crítico e constante ao longo do processo produtivo, em busca e identificação de tudo aquilo que não agrega valor ao produto, mas que no entanto, utilizam os recursos disponíveis como: mão de obra, materiais, máquinas, espaço, etc.

É necessária uma clara visão do que faz parte da Linha do tempo (Lead time), entre o início da produção (matéria prima), até o produto acabado, buscando reduzi-la ao máximo, mantendo somente o que agrega valor e visivelmente, transforma o produto.

A superprodução, muito comum em processos tradicionais, é o maior de todos os desperdícios. Grandes lotes de produção escondem situações de ineficiência, como: baixa qualidade, longo tempo de troca de ferramenta, filas, movimentações desnecessárias, quebras de máquina.

As empresas que trabalham produzindo grandes lotes não percebem que, processos que levariam minutos ou segundos, hoje levam dias ou até meses para serem processados.

O caminho para ser melhor e mais eficiente é começar criando um fluxo contínuo, sem interrupção, buscando reduzir os lotes de produção ao mínimo possível, buscando o nível ideal, que é o de uma peça por vez , no ritmo da necessidade do cliente.

Ao criar um fluxo contínuo e baixar o nível de produção, os problemas são expostos, como as pedras de um rio, quando diminuímos o nível da água. Com o nível baixo, fica visível uma situação de ineficiência, que exige da gestão e de toda a equipe, ações imediatas de solução de problemas.

Uma ferramenta utilizada com muita eficiência para criar fluxo contínuo e reduzir o nível de estoques de peças em processo é o Sistema puxado de produção, também chamado de Sistema Kanban.

Sistema Kanban é um modelo de programação de produção feito através de sinais, que podem ser um cartão (kanban) , caixa, carrinho. Esse Sistema foi criado pela empresa japonesa Toyota na década de 50.

Na época do pós guerra, a Toyota buscava uma saída para produzir pequenos volumes de carros com uma variação muito grande de modelos.

Taiichi Ohno, administrador da empresa, recebeu a missão de aperfeiçoar o processo de produção, de modo que se igualasse à produtividade da americana Ford.

Ohno, ao observar a produção em massa sempre do mesmo modelo da Ford, constatou que essa não seria a melhor saída para a realidade da Toyota, que era de baixa demanda e alto mix (muitos modelos).

Foi quando Ohno visitou os supermercados nos Estados Unidos, que percebeu, ao observar a administração de reposição das prateleiras, que itens individuais eram recolocados assim que cada um deles começava a escassear, isto é, a recolocação do material era provocada pelo consumo!

Aplicado à Fábrica, o conceito significa que um processo (fornecedor) não deveria produzir (reabastecer) peças antes que o próximo processo (consumidor) o utilizasse.

Taiichi Ohno trouxe então para a Toyota, a ideia do Sistema Kanban, que juntamente com outras ferramentas de otimização e melhoria de processo formaram o STP (Sistema Toyota de Produção), mais tarde conhecido pelo mundo como Lean Manufacturing.

A dinâmica e fluidez do sistema Kanban é garantida através de supermercados intermediários, que são calculados e colocados entre processos, com o mínimo de estoque necessário.

O disparo da produção é feito quando o processo consumidor utiliza as peças do fornecedor, até chegar a um pequeno estoque de segurança, também chamado de ponto de pedido, que aciona um sinal para ser produzido.

Ao contrário da programação tradicional, que programa todos os pontos da fábrica e cada um “empurra” as peças para o processo seguinte, o Sistema Kanban programa um ponto de processo puxador, geralmente um processo de montagem, e este dispara a produção dos processos anteriores.

A velocidade do processo puxador, também chamado de pacemaker, é dado pelo tempo e ritmo do cliente que ao solicitar um pedido, dispara a produção dos itens.

O Sistema Kanban, se bem implementado, traz grandes benefícios como:

Redução de estoques entre processos,
Produção apenas da quantidade necessária, evitando superprodução,
Garantia da peça certa conforme puxada do cliente,
Eliminação de filas e esperas,
Redução de Lead time,
Maior giro de estoque,

O Sistema Kanban é uma importante ferramenta utilizada por quem busca flexibilidade, velocidade e eficiência, sendo uma das colunas de sustentação das empresas que querem ser mais enxutas e competitivas, mantendo o foco na redução de desperdícios e Melhoria Continua.

Para que um Sistema Kanban seja bem implementado, é importante um desenho prévio do Mapeamento de Fluxo de valor atual (VSM – Estado Atual), que irá fornecer dados como:

Tipo de programação de produção para cada ponto do processo,
Identificação de pontos de superprodução,
Verificação de como cada parte do processo está conectado,
Entendimento do Lead time de cada parte do processo.

O VSM ajuda a identificar pontos para instalação de sistema puxado de produção e é a base para o desenho do VSM – Estado Futuro

O VSM – Estado Futuro é o norteador de todos os processos de melhoria e ajuda as equipes a traçarem um Plano de Ação a fim de atingirem os resultados esperados.

Acompanhe nas próximas postagens como elaborar um Mapeamento de Fluxo de Valor (VSM), e os grandes benefícios que trazem a aplicação dessa importante ferramenta.